Neurociências e Fosfenismo
NEUROCIÊNCIAS E FOSFENISMO

As neurociências agrupam todas as técnicas do Fosfenismo do Dr. LEFEBURE.

NEUROCIÊNCIAS

As neurociências agrupam todas as ciências necessárias ao estudo da anatomia e do funcionamento do sistema nervoso.

As diferentes disciplinas que constituem as neurociências são:

• Neurofisiologia estuda o funcionamento fisiológico das unidades do sistema nervoso que são os neurónios.
• A neuroanatomia estuda a estrutura anatómica do sistema nervoso.
• A neurologia é o ramo da medicina interessando nas consequências clínicas, patologias do sistema nervoso e o seu tratamento.
• A neuropsicologia interessa-se pelas consequências clínicas patológicas do sistema nervoso sobre a inteligência e as emoções.
• A neuroendocrinologia estuda as relações entre o sistema nervoso e o sistema hormonal.
• As neurociências cognitivas procuram estabelecer as relações entre o sistema nervoso e a cognição.
• As neurociências computacionais procuram modelar o funcionamento do sistema nervoso através de simulações informáticas.
• A neuroeconomia interessa-se aos processos de decisão dos agentes económicos, e nomeadamente do estudo dos papéis respetivos das emoções e da cognição.

As investigações do Dr. LEFEBURE inscrevem-se no domínio das neurociências e mais particularmente no da fisiologia cerebral, embora o seu quadro exceda o ponto de vista meramente material da neurofisiologia.

Os trabalhos do Dr. LEFEBURE, baseados na utilização sistemática dos FOSFÉNOS, permitiram destacar diferentes ritmos cerebrais desconhecidos até então. O ponto de partida destas descobertas foi um fenómeno cerebral surpreendente, que o Dr. LEFEBURE descobriu por acaso em 1959 e que nomeou «EFEITO SUBUD».

Os FOSFÉNOS são todas as sensações luminosas subjetivas que não são geradas diretamente pela luz que estimula a retina. Correspondem ao que os oftalmologistas chamam imagens de persistência retiniana ou pós-imagens.

Extrato do livro A exploração do cérebro pelas oscilações dos FOSFÉNOS duplos:

«Descobrimos imediatamente um fenómeno absolutamente espantoso e certamente imprevisível; ao nosso conhecimento, nunca tinha ainda sido assinalado por nenhum autor, bem que uma criança o pôde descobrir divertindo-se.
A uma distância de três metros, olhe durante um minuto uma lâmpada comum. Apague e permaneça na obscuridade. Espere o fim da fase de latência e da fase confusa. Assim que o FOSFÉNO estiver formado, balance a cabeça a uma velocidade média: vê o FOSFÉNO balançar-se à mesma velocidade que a cabeça.

Recomece a experiência, mas, desta vez, balance muito rapidamente a cabeça: O FOSFÉNO PARECE CONTINUAR A FICAR FIXO NO EIXO MEDIANO DO CORPO. Agora balance muito lentamente a cabeça: o FOSFÉNO parece balançar-se ligeiramente, MAS MENOS QUE O CORPO.

Assim descobriu que existe um ritmo e um só, que favorece a associação das sensações - ou pelo menos as permite - os outros ritmos que quebram ou diminuem as associações. Esta oposição inesperada entre as deslocações dos FOSFÉNOS conforme o ritmo dos movimentos de cabeça é médio ou rápido, nós chamamos o EFEITO SUBUD, recordando as circunstâncias da sua descoberta.

O efeito Subud é a dissociação entre os movimentos da cabeça e os movimentos do FOSFÉNO quando os movimentos da cabeça são rápidos.

Este único facto possui já um alcance neurológico e pedagógico considerável. Abre a porta a um novo ramo do conhecimento humano: a neuropedagogia.»

Esta descoberta do ritmo do cérebro permitiu ao Dr. LEFEBURE desenvolver um método revolucionário no domínio da exploração cerebral: o Cerebroscópio. O princípio do Cerebroscópio reside na medida dos ritmos cerebrais com a ajuda das oscilações dos FOSFÉNOS duplos. O Cerebroscópio constitui um excelente complemento das técnicas atuais de imagem cerebral.

As imagens cerebrais desempenham um papel preponderante no estudo do funcionamento do cérebro e diferentes técnicas são utilizadas pelas neurociências:

• A tomografia da emissão de positrões (ou «scaner») utiliza isótopos radioativos injetados no sangue dos pacientes. A sua concentração em diferentes zonas do cérebro permite visualizar as zonas mais ativas.
• O eletroencefalograma (ou EEG) mede os campos elétricos gerados pelos neurónios dos pacientes colocando elétrodos sobre o couro cabeludo.
• A aparência por ressonância magnética (ou IRM) mede a quantidade relativa de sangue oxigenado que circula nas diferentes partes do cérebro e permite assim localizar as zonas ativas.
• A aparência ótica utiliza transmissões infravermelhas para medir a reflexão da luz pelo sangue em diferentes partes do cérebro. O sangue oxigenado e o sangue desoxigenado que reflete a luz de maneira diferente, este processo permite medir as zonas da atividade.
• A magnetoencefalografia mede os campos magnéticos que resultam da atividade do córtice.

Não sendo um princípio de aparência propriamente dito, mas antes um modo de exploração cerebral, o Cerebroscópio propõe medir a alternância dos FOSFÉNOS duplos. Para o efeito, o processo a seguir é o seguinte: com duas lâmpadas e a ajuda de um separador do campo visual, produz-se um FOSFÉNO em cada um dos olhos do indivíduo, acendendo e apagando duas lâmpadas com o ritmo de dois segundos para cada lado. Os FOSFÉNOS assim produzidos não são constantes, mas alternam-se. Contrariamente ao que se poderia pensar, esta alternância não segue o ritmo de dois segundos da iluminação, MAS O RITMO PRÓPRIO DO INDIVÍDUO. Em média, este ritmo é de seis segundos para cada lado e esta alternância prossegue-se durante quatro a seis minutos. O interesse do método situa-se no estudo da regularidade desta alternância. Com efeito, uma alternância cerebral regular demonstra um bom estado do cérebro, ora que uma alternância irregular ou ausente demonstra o inverso. A alternância cerebral de um indivíduo é variável segundo os momentos. De manhã ao acordar, após uma noite de sono corretiva, a alternância cerebral é muito mais regular, que à noite ao deitar após um dia de trabalho. De maneira constante, certas situações favorecem a alternância cerebral enquanto outras o desregulam. Este estudo permite medir o impacto no cérebro dos diferentes parâmetros (atividades físicas, regimes alimentares, tomadas de medicamentos, etc.) e permitiram ao Dr. LEFEBURE de determinar uma nova lei de fisiologia cerebral:

«TUDO O QUE FAVORECE A ALTERNÂNCIA CEREBRAL FAVORECE O TRABALHO INTELECTUAL E INVERSAMENTE»

O Dr. LEFEBURE procurou seguidamente transpor as suas descobertas sobre a vista a todos os outros órgãos dos sentidos, revolucionando assim a nossa compreensão dos mecanismos de perceção.

A perceção é a capacidade que temos para receber uma informação pelo intermédio dos sentidos, e a interpretação que faz o cérebro. A visão e o ouvido são os dois sentidos principais que nos permitem aperceber o ambiente, mas o sentido do tocar, do olfato, do gosto ou do equilíbrio tem também a sua importância.
Durante o seu estudo, o Dr. LEFEBURE demonstrou que existem equivalentes internos a estas perceções físicas. O FOSFÉNO, por exemplo, corresponde à perceção visual. O FOSFÉNO parece constituir uma espécie de eco neurológico à perceção visual física.
Do mesmo modo, existem equivalentes internos dos outros sentidos físicos, que o Dr. LEFEBURE nomeou «fénos fisiológicos» e que juntos formam o «sistema fénico» do indivíduo.
Todos os fénos são o intermediário fisiológico entre o sentido físico ao qual corresponde e um sentido espiritual equivalente, uma vez despertado, dá lugar à perceção das energias, dos acontecimentos ou dos universos inatingíveis, quer dizer, não percetíveis pelos sentidos físicos. O sistema fénico, quando é estimulado, provoca a perceção dos planos espirituais que as tradições chamam o «além», «mundos invisíveis» ou «planos subtis».

O sistema fénico é constituído por:

• O FOSFÉNO corresponde ao sentido da vista.
• O Acuféno corresponde ao ouvido.
• O Gustatoféno corresponde ao gosto.
• O Olfatoféno corresponde ao cheiro.
• O Pneumoféno corresponde à respiração
• O Osteoféno corresponde às propriedades elásticas do esqueleto.
• O Estatoféno ou giroféno corresponde ao féno do sentido do equilíbrio.
• O Mioféno corresponde à atividade muscular.
• O Tatoféno corresponde ao tato.
• A perceção subjetiva do tempo.

Todos os fénos e provavelmente outros que ainda não foram detetados são vinculados entre si. O que acontece quando se excita um féno específico, pode-se perfeitamente aperceber sensações ligadas a um outro féno.

Além disso, existe um terceiro sistema sensorial, que até agora se chamava «centros psíquicos» ou chacras. Este terceiro sistema é ligado ao sistema fénico e à consciência. É possível que, até certo ponto, estes centros psíquicos ou chacras sejam os órgãos da consciência.

As descobertas do Dr. LEFEBURE são progressos essenciais no domínio das neurociências e anula a dúvida que inspirará novas descobertas aos futuros investigadores em neurociências.

© Fosfenismo - Extrato de «Universo Energia Fosfénica».

FOSFENISMO - Escola do Dr. LEFEBURE
Pratique também o Fosfenismo.

Faça o download GRATUITAMENTE

«UNIVERSO ENERGIA FOSFÊNICA»

e aprenda a transformar
a energia luminosa em energia mental.