VIAGEM ASTRAL

Ios - SONHOS INICIÁTICOS
Antes de ontem à noite, estava, como hábito, a fazer os meus exercícios de tensões estáticas, mas desta vez adormeci com os auscultadores nas orelhas com os exercícios em infinito quase toda a noite e… fiz um encontro no meu sonho: era o Doutor Lefebure. Recordo-me, diria eu, que durou 2 minutos, no entanto tinha a sensação de o viver com uma intensidade que até hoje me era incógnita. Quando acordei tinha uma lembrança muito forte da sua imagem física (vestuário, rosto) e o que ele me mostrou, o seu livro «A iniciação de Subud», este título apareceu em letras muito gordas e com uma cor extremamente viva, seguidamente, voltei a vêr o Doutor Lefebure que me fez um sorriso. É tudo do que me recordo.

Quando acordei, interroguei-me durante perto de uma hora sem saber se era um sonho ou «um encontro», porque tinha receio de estar a fazer um filme. É necessário saber que não era realmente um livro que contava comprar pela simples e boa a razão que a descrição deste livro é «A introdução da sua obra…», ora já tinha lido bastantes introduções no site e queria, por conseguinte, passar às técnicas práticas. Telefonei ao Sr. Stiennon para encomendar «Kundalini Volume 1» e contei-lhe o meu sonho, ele aconselhou-me de ler o Subud, porque tinha um exercício ou indicações para mim, do qual tinha necessidade, tal era a mensagem do Dr. Lefebure de acordo com o Sr.Stiennon (obrigado a si Sr. Stiennon).

Agora sou induzida a crer que não era um simples sonho, o que me leva a continuar com ainda mais força, com convicção… estou comovida ao mesmo tempo e muito excitada. Quando receber os meus livros, estudo Subud e… a seguir…


Yannick - SONHOS DUPLICADOS e VORTEX
Os sonhos duplicados seguem-se e não se assemelham. O que vai ficando certo. (…) Encontro-me flutuando no cosmos. Um símbolo representativo do «ajna» flutua no vazio. Aparece ao mesmo tempo um zumbido e quando este se vai apagando, um círculo luminoso azulado toma o lugar do símbolo. Continuo totalmente consciente. Flutuo no meio de cores vivas realmente magníficas. Todos os tons. São terrivelmente incontestáveis. O contraste com o preto é mágico. Vejo nebulosas e espécies de vortex. «Seres» em forma de espermatozoides gigantes (100 vezes maiores que o meu duplo), translúcidos e ligeiramente alaranjados flutuam lentamente. Não tinha mais duplo. Flutuo. Decido mudar de zona e vou para um destes vortex. Encontro-me no ano 1980. O meu pai espera no cais do metro do qual desço (continuo plenamente consciente). Cumprimento-o e pergunto-lhe o que faz lá. Diz-me que esperava pela minha mãe. Acompanho-o nas suas investigações e ela está mais adiante com um carrinho de bébé, onde durmo (eu bébé) com o meu irmãozinho. A minha mãe está noutro lugar em companhia do padrinho deste que lhe diz adeus. Aproximo-me do berço para ver melhor, e aí, a experiência perde em estabilidade. Decido mudar de zona antes de que seja tarde demais. Voei e mergulhei de novo através do solo. Encontro-me de novo no cosmos a viajar com uma velocidade extraordinária. A sensação é terrivel. Um dos seres aos quais falava previamente roça-me e é realmente gigantesco. É magnífico. Nunca vi cores tão bonitas. Quero ir a outra zona, esta é bonita, mas não muito ativa, quero aproveitar a viagem. Vou embora com uma grande velocidade. Vejo imensas imagens. Sei que poderia parar, mas nada me tenta. Continuo a avançar rapidamente no meio das cores. Ao fim de um certo tempo, sinto que a experiência vai chegar ao fim. Decido acordar para não perder uma migalha de tudo o que se passou.


Tristan F. - Paris
Descobri e comecei a praticar o Fosfenismo após ter seguido o estágio N°1. Os primeiros resultados foram rápidos, porque ao fim de 3 semanas de prática dos balanços, de manhã e à noite, os primeiros sonhos duplicados apareceram.
Nessa época praticava muito a Conjugação Fosfénica com os reflexos do sol sobre a água da piscina, fazia igualmente 4 a 5 fosfénos por dia com o sol diretamente misturando com um pensamento positivo e uma oração e tomava a minha refeição do meio-dia em frente do sol que iluminava com vivacidade o prato branco.
Praticava unicamente balanços com mantras e observava o caos visual. Não descreverei a multidão de sonhos duplicados que pude obter mas tenho que descrever um:

Estava em plena viagem astral a voar sobre uma linda paisagem quando de repente senti algo apanhar-me na costas e fui numa velocidade vertiginosa em turbilhão para o sol. Exatamente antes de chegar ao sol, apercebi-me de três pequenos seres que formam um triângulo perfeito vestidos com um grande casaco com um capuz cobrindo o rosto. Os dois da parte inferior estavam vestidos de preto e o da parte superior de branco. Recordo-me ter feito a aproximação com os meus 3 anjos vigias (um é masculino (branco), os dois outros femininos (pretos) representando as cores do ying e yang). Passei por baixo deles, seguidamente entrei no sol e aí, não havia mais côres! Luz por toda a parte, potente, omnipresente. Nenhuma cor, nenhuma saída, nem uma zona de sombra, mas uma potência extraordinária, deslumbrante!

Seguidamente senti o meu corpo físico desintegrar-se começando pelos pés como se os átomos do meu corpo se partissem e se dispersassem nesta luz. Esta desintegração é a subida ao nível da bacia lenta e regularmente, seguidamente até à cabeça para finalmente não sentir mais o meu corpo físico (ou etérico) existir. É uma sensação e uma experiência que não estou pronto a esquecer, porque estava literalmente «fundido» nesta luz, sem corpo!!
Recordo-me ter dito então «Somos apenas pensamento… nada de outro!» Seguidamente, uma vez esta frase marcada, acordo abruptamente! Compreendi enquanto o meu corpo assim como o resto do mundo era nada mais nada menos que uma montagem de partículas que formam um todo e ligadas entre elas por uma energia extraordinária, luminosa e omnipresente e que só o pensamento ou só o espírito nos pertencia, é que nós somos o mais profundo de nós mesmos; o resto é ilusório ou é que é um meio de…

Deixo de lado todas as magníficas viagens astrais que pude viver com todas as paisagens literalmente sublimes. Tive mesmo a possibilidade de ouvir várias vezes dos coros celestiais, o que é também uma experiência muito única, o corpo entra numa vibração extraordinária a ouvir estes cantos magníficos. Quando acordei, anotei mesmo um destes cantos (sou músico e conheço o solfejo) que talvez um dia estará em download no site.
Recordo que tive estas experiências unicamente pela prática da conjugação, os balanços e o caos visual, nada mais!! (Só fiz o primeiro estágio).