DEUS

Christian, anos, engenheiro.
Vi Deus.
Como todas as noites desde há um mês e meio, deito-me imediatamente após a minha sessão de meditação com o Girascópio virtual.
Qual não foi o meu espanto quando, pela manhãzinha, sou acordado por uma luz intensa que parecia banhar todo o meu cérebro e o meu campo visual. Esta iluminação foi seguida do sentimento agudo da noção de Deus.
Efetivamente, compreendi, após ter estudado os trabalhos do Dr. LEFEBURE, que todo pensamento ritmado através da oração, recitação de rosário, recitação de uma litania ou liturgia, etc., provoca sincronizações neurológicas que provocam perceções da luz supranormal. Mas nunca esperei um fenómeno com tal intensidade. Aquilo tinha algo de grandioso, místico e espiritual ao mesmo tempo.
Não me tornei mais religioso por isso, como André Frossard, Académico, autor do livro Deus existe, encontrei-O, mas em contrapartida, o facto de ter entrado em contacto com a luz Divina, ou Deus, permite-me abordar o caminho da minha existência de outra maneira. O resto é apenas vaidade…Um grande obrigado ao diretor do Girascópio virtual e sobretudo ao Dr. LEFEBURE.


Gilles P. - FRANÇA
As religiões empíricas ou mesmo arcaicas
As conotações religiosas ligadas à tradição cristã como a virgem Maria ou Jesus Cristo coloca um problema real de sentimentalismo, de onde certamente, não há ainda assim tanto tempo, que estas batalhas entre as capelas nas nossas províncias para saber qual será a melhor e mais verídica das virgens.
Na Escola do Dr. LEFEBURE, a orientação científica das técnicas iniciáticas e o fosféno pela mesma ocasião conduz em geral, a interessar-se pela ciência mais particularmente pela astronomia e pelas forças da natureza. A simbologia do pai é para nós o cosmos e a mãe é a nossa terra, a natureza e as diferentes forças. Comunga com a alma da terra trabalhando sobre a chacra umbilical. Após um dia de balanços e de fixações luminosas, apercebi no meu campo de consciência a imagem de uma mulher vestida de branco.
Fala-se frequentemente da Virgem, mas no meu sentido é com efeito a personalização, a força feminina da terra como é dito no yoga tibetano.
Estes seres de luz são, para mim, a representação das forças que existem à nossa volta como o vento, a água, o fogo e a terra. Por outro lado durante as aparições, esforço-me em pensar que «comunico» com a «alma da terra», em vêz da Virgem como mãe histórica de Cristo, que como sublinha o Dr. Lefebure, tem lugar muito relativo nos Evangelhos «… apercebemos que é uma família como as outras com as suas tensões, assim durante a Cena, o Cristo diz: mulher que há de comum entre tu e eu, porque tinha esquecido o vinho sobre a mesa…»
O Sr. Stiennon, compartilha completamente o seu ponto de vista. As religiões, estão muito empoeiradas e se quizerem ter experiências espirituais, mais vale dirigi-las para o cosmos, em vez das divindades…


Yannik. - SUÍÇA
O que existe de totalmente auto referente fora de Deus? Com efeito, após 2 meses, pude começar a observar a luz durante os meus exercícios Girascópicos. O seu aparecimento declina-se de várias maneiras:
- Ocasionalmente e de acordo com a concentração como a maravilha interna que «esconde» a visão.
- A maior parte do tempo como «volutas de fosfénos» que aparece no exterior do campo de visão seguidamente preenche totalmente o meu espírito. As cores partem do vermelho aos alaranjados no exterior para degradar em tonalidades do tipo «cores caloríficas» para terminar no centro por um círculo de um azul dos mais calmos, o similar ao do fosféno efetuado com a ajuda do sol sobre o reflexo da água.
- As projeções luminosas aparecem aleatoriamente durante o dia. São frequentemente acompanhadas com um sentimento de paz ou de superatividade da chacra frontal.