BALANÇO

Sophie S.- FRANÇA
Desde que faço fosfénos e balanços por volta de meia hora por dia, posso constatar uma mudança no meu caráter. Encontrei uma certa estabilidade de humor e diria mesmo uma constante nos meus estados de espírito Sou muito mais resistente ao stress, sinto-me cheia de energia ao longo de todo o dia. Uma segurança calma acompanha-me para tomar resoluções refletidas na condução da minha existência. Sinto intelectualmente uma maior vivacidade de espírito.


Yannick - SUÍÇA
Sr. Stiennon,
Após certo tempo de prática assídua dos balanços (cerca de 1 hora por dia), posso efetuar as observações seguintes:
- Os balanços ântero-posteriores têm uma forte influência sobre psiquismo e mais particularmente no meu caso sobre a vontade e a segurança. Com efeito, após 3 meses de prática assídua, já posso notar certas mudanças significativas no meu comportamento: falar sem embaraço em frente de uma assembleia, mais segurança em frente das pessoas do outro sexo, tarefas efetuadas mais voluntariamente…


Jean-Pierre F. - FRANÇA
Técnica utilizada: Sincronizei o ritmo da alternância com o meu Alternofone (1 segundo por cada lado) com o balanço do meu velho Relógio. Após ter feito o fosféno, fixo o balanço durante 1 minuto seguidamente tento re-examiná-lo mentalmente (com os olhos fechados) imaginando uma corda de prata balançando-se com o ritmo do Alternofone.

Resultado: Durante a noite desencadeou-se um movimento pendular pelas 5 horas da manhã, que me levou a uma experiência bem curiosa em todos os pontos de vista. Com efeito, o meu corpo astral deslocava-se alterndamente bem ritmado e via como nuvens prateadas desenharem-se à distância. Pensava no meu profundo interior que gostaria de encontrar o meu guia espiritual e oh que surpresa, um ser feminino na sua aparência, feito com véus evanescentes, atravessou o meu «corpo astral» e senti como um amor que me penetrava, o que me fez reagir e me despertou desta vez no meu corpo físico. Obrigado à Escola do Dr. Lefebure e ao seu continuador Daniel Stiennon.


Christophe C. - FRANÇA
az agora 3 semanas que pratico todos os dias, cerca de 20 minutos de manhã e 20 minutos à noite, o balanço lateral associado com os fosfénos ouvindo ao mesmo tempo o CD Sincronofonia e repetindo o mantra «ILLI». Sinto desde alguns dias um sentimento de alegria intenso que se produz durante do dia, sem razão lógica, com a sensação de sentir mais ligeiro fisicamente. Durante o dia, sinto cada vez mais frequentemente um sentimento de tranquilidade interna, de harmonia comigo mesmo (aceito-me melhor como sou, com as minhas qualidades e as minhas fraquezas). Praticando o Fosfenismo, penso ter «re-conectado» o meu sistema regenerador do qual a natureza me terá dotado.


Isabelle F. - FRANÇA
Ultimamente, tive uma experiência muito agradável. À noite, tinha feito o balanço lateral, como nos ensinou; balanço que aprecio muito e que pratico antes de adormecer.
Durante o sono, ouvi um som que ia de um ouvido ao outro. Era como um sopro que me atravessava a cabeça e sentia uma vibração. Foi uma sensação muito agradável. Seguidamente senti-me aspirada no meu campo visual, com uma sensação de velocidade e de movimento, quando uma forma com os contornos luminosos apareceu à minha frente. Teria dito, um anjo que fazia movimentos com as suas mãos, como se me quisesse cumprimentar. Disse-lhe obrigado e, para ver o que se ia passar, pedi-lhe que me mostrasse países maravilhosos. Aí, o ser luminoso dirigiu-se voando e o escuro abriu-se como uma bruma para dar lugar a um magnífico sol. Havia raios luminosos brancos muito suaves e bolhas cor-de-rosa saíram para vir na minha direção; tive a sensação, que rebentavam quando me tocavam. Seguidamente, apercebi-me que estava no mar, mas realmente com a sensação que o meu corpo se encontrava nesse lugar. Com as minhas mãos, batia na água; sentia todas as sensações de tocar. A bruma fechou-se novamente devagar sobre a luz; voava rasando a água onde via o reflexo do sol. No dia seguinte, todo o dia, senti-me com um bem-estar total. O que aconteceu retirou-me muitos pensamentos parasitas. Por momentos, tinha a impressão de não sentir o meu corpo mas sabia que estava lá. Aí está, espero que não ter sido demasiado inábil para me explicar porque é tão difícil descrever e dizer o que senti, sobretudo quando é maravilhoso.