OUTROS BALANÇOS
(Hémi-Circundução)

n° 6:
Balanço em HEMI-CIRCUNDUÇÃO
ou balanço de Cristo, ou ainda balanço em ferradura


Balanço em FERRADURA, mantra ELLE

Também chamado balanço de Cristo, porque a posição da cabeça na cruz, que não corresponde à posição natural de um morto, mostra o exercício iniciático correto.
= Sonho iniciático (sonho durante o qual o indivíduo recebe indicações sobre o exercício que deve praticar para alcançar rapidamente o seu desenvolvimento interno (pessoal).


Permite o contacto com os guias espirituais e a viagem até aos cartórios Akashas (subconsciente).

Este balanço faz-se com o ritmo de 3 segundos para cada lado e é composto por um só tempo.

Duração: 3 minutos. Voltar a fazer um fosfeno e deixar-se levar durante 3 a 5 minutos pelas sensações cinestésicas.


Combinação do balanço com a oscilação de torção.
Praticar os balanços com uma oscilação de torção tem uma incidência mais profunda, mais natural e mais tradicional.
Mais natural porque é o movimento original da vida. É o movimento do espermatozoide, que por um lado quando avança tem uma oscilação da direita para a esquerda que se prolonga por um movimento sinusoidal do corpo e o flagelo, por outro lado, tem uma oscilação de torção à volta do seu eixo: assim, poderíamos dizer que apresenta a face direita e seguidamente a face esquerda, a quem o observa ao microscópio. Ora, esta combinação de oscilações, de torções e de oscilações sinusoidais é muito corrente em biologia, por exemplo, quando caminhamos em cima de um muro, se projetar o movimento da anca sobre o muro, este movimento traça uma sinusoide, mas por outro lado e devido ao avanço as ancas encontram-se alternadamente à frente e atrás, produz-se por conseguinte uma oscilação de torção evidente. Tal como no avanço do espermatozoide, existe uma combinação do movimento sinusoidal e a oscilação de torção.

Diz-se que o movimento do coração é uma contração/dilatação. Mas, em medicina, aprendemos que o coração contrata-se como se torcêssemos um pano para o enxugar, ou seja com um movimento de torção nas extremidades, as fibras musculares cardíacas são em espiral e fechadas sobre elas mesmas. Noutros termos, o coração é uma espécie de pano com quatro malhas.

Projetemos esta combinação fundamental biológica sobre os nossos movimentos da cabeça, o balanço da direita para a esquerda (balanço lateral). A oscilação de torção é o movimento no qual, o eixo da cabeça permanece sempre vertical, o queixo vai para a direita e para a esquerda. Se combinarmos os dois, a cabeça vai inclinar-se sobre a clavícula de um lado e seguidamente do outro. É indispensável que a inflexão e a torção sejam sempre iguais. Este movimento é mais agradável se o executar com a oitava do ritmo básico de dois segundos, ou seja, com o ritmo de quatro segundos ou o ritmo de três segundos. Em todos casos, é necessário escolher um ritmo para criar as vias neurológicas, vetores das experiências.

Finalmente, estes movimentos são mais fáceis, o que não é surpreendente porque correspondem ao movimento original da vida, o mais agradável, é o movimento durante o qual é mais fácil continuar a pensar, a manter uma atividade rítmica no pensamento, que seja um mantra ou outra coisa e o balanço do ponto de concentração.

Quando parar este movimento da cabeça, o movimento do pensamento continua com uma grande facilidade.

Nos quadros antigos que representam Jesus Cristo, como nos crucifixos antigos, a cabeça de Jesus está sempre inclinada sobre a clavícula, meia inflexão, meia torção. Antigamente, era sempre à direita dado que, de acordo com a tradição, teria olhado para o oeste morrendo. Nos quadros mais recentes, pode por vezes ser representada à esquerda. Na verdade, certos cirurgiões decretaram que não era uma posição normal para um cadáver atado pelas mãos e desde essa altura, os artistas passaram a representar Jesus Cristo com a cabeça inclinada para a frente.

Mas se os artistas da Idade Média representaram a cena com a cabeça inclinada e ao mesmo tempo com um movimento de torção, ou seja deitada sobre a clavícula, é porque no cristianismo desta época, recordava que esse movimento tinha um grande valor místico, ou seja, grandes possibilidades para ajudar a nascer o pensamento ritmado que se chamava orações ou ladainhas, com um ritmo bem regular e muito consciente.

Inclinação do coro sobre a nave, em certas igrejas e catedrais.
Observaremos igualmente que em certos edifícios de culto, nas igrejas góticas por exemplo ou mesmo catedrais góticas, ou mesmo pequenas igrejas romanas na província muito mais antigas, têm o coro inclinado para a nave.
Em Quimper (França), por exemplo, é perfeitamente visível em Saint-Malo, se estiver bem no meio dos degraus à entrada da catedral, com um pouco de atenção observa a mesma coisa. E por exemplo, em Monteton, pequena aldeia da Dordonha, existe uma igreja romana que na porta da entrada tem a explicação desta ligeira inclinação, atraindo a atenção: para recordar a inclinação da cabeça de Jesus Cristo sobre a cruz.

Se este movimento foi marcado nos edifícios de culto numa certa época, é porque se sabiam muito bem que era extremamente importante do ponto de vista místico. Não esqueça que, até ao fim da Idade Média, praticavam-se danças com rotações e exercícios de balanços da cabeça e do corpo nas igrejas. Além disso, os cristãos coptas ainda se balançam orando. Por conseguinte, esta posição da cabeça de Jesus Cristo nos quadros e nos crucifixos antigos e a inclinação da nave para o coro, indica que sabia-se muito bem que este movimento de cabeça era muito importante para o desenvolvimento espiritual.

Dr. LEFEBURE

Nave clássica

Nave iniciática e espiritual


Definição: HEMI-CIRCUNDUÇÃO
Hemi: prefixo derivado do grego «hemi = metade» que entra na composição de numerosos termos da ciência e da arte.
Circundução: termo didático. Movimento de rotação à volta de um eixo ou um ponto central.
Em fisiologia, é o movimento pelo qual um membro ou um osso descreve, em certa medida, um cone do qual o cimo está na articulação superior e a base na outra extremidade.


    VOLTAR compreender a prática