OUTROS BALANÇOS
(em 8)

n° 4:
Balanço em 8 ou movimento infinito


OS BALANÇOS PRATICAM-SE TODOS DA MESMA MANEIRA, COMO O BALANÇO LATERAL, OU SEJA EM 3 TEMPOS COM O FOSFENO E O PONTO DE CONCENTRAÇÃO. Só o movimento da cabeça altera.
Salvo uma exceção: o balanço em hemi-circundução (ou Balanço em forma de ferradura).

Balanço em 8, mantra ILLI.
Combinação dum balanço lateral e de dois movimentos de rotação simétricos.
= Permite obter maior força de caráter, melhor ancoragem na vida, uma centragem mais adaptada. Permite obter uma certa clarividência sobre o nosso caminho de vida.


1° tempo: movimento amplo da cabeça.

Duração: 1 minuto.

2° tempo: pequeno movimento da cabeça.

Sempre em ritmo com o mantra e sincronizando com a passagem do ponto de concentração que passará sempre no mesmo sítio no tempo e no espaço.

Duração: 1 minuto.


3° tempo: como no 1° tempo.

Duração: 1 minuto.

Voltar a fazer e como com o balanço lateral não deixar sair o ponto de concentração da cabeça.
Nota: A cada estalido o pensamento passa pelo anel central.

Exemplo de um exercício uma ou duas vezes por ano:
Lembrar panorâmicamente, quer dizer passar dum acontecimento ao outro, as grandes linhas do seu passado, tendo o cuidado de conservar só os acontecimentos que lhe parecem estar ligados à sua evolução. Esta retrospetiva faz-se do lado esquerdo do cérebro (do lado direito para os canhotos). Quer dizer que praticando o balanço em 8, deixamos surgir as nossas lembranças, mas com a ideia que se situam no lado esquerdo do cérebro (direito para os canhotos).

Depois, quando esta lembrança estiver feita, que vem da nossa infância para voltar à nossa vida atual, deixamos surgir no nosso lado direito as imagens, as ideias fortes ligadas ao que desejávamos ser ou ao que desejaríamos conseguir nos próximos anos.

O primeiro tempo deste trabalho não é verdadeiramente uma forma de regressão. Não se trata também de uma forma de psicanálise. A ação psicanalítica é de resto oposta à ação iniciática que é uma ação evolucionista. Falar de um problema é criá-lo. O passado é a coisa mais pesada que um ser tem a gerir. Na ação iniciática, procuramos tomar consciência do nosso passado para compreender melhor a trama, os acontecimentos que nos conduziram a sermos o que somos hoje. Inclinar-se demasiado sobre o seu passado é uma atitude retrograda que agarra os nossos problemas e os nossos defeitos, um pouco mais na memória dos nossos eletrões.

«TUDO O QUE ESTÁ NA MENTE PASSA UM DIA PARA A MATÉRIA se não for nesta vida, será para a próxima … Doutor LEFEBURE.»

Meditar sobre o que gostaríamos de ser, permite «programar» o seu futuro … e no pensamento da reencarnação, voltar em melhores condições…