CADERNO TÉCNICO
Especial Balanço

DECOMPOSIÇÃO DO
BALANÇO LATERAL

(ADSL médio: Download das animações, cerca de 2 min)
(Baixo débito: Download das animações, cerca de 6 min)


n° 1:
O balanço lateral

Generalidades:
  • O balanço lateral, vertical, ântero-posterior, em 8 e as rotações fazem-se em 3 tempos.
  • O 1° e o 3° tempo servem para lançar o pensamento, ou seja dar uma amplitude suficiente para induzir o pensamento ritmado.
  • O ritmo com o qual o fosfeno toma a maior amplitude no balanço é o ritmo de 2 segundos, com uma inclinação da cabeça aproximadamente a 45° em relação ao eixo vertical.
  • A palavra «mantra» significa etimologicamente: som mental. São sons (série de sílabas pronunciadas mentalmente ou em voz alta) que não têm necessariamente um sentido e que têm a vantagem de permitir uma repetição contínua muito regular. A regularidade do ritmo permite acumular mais energia a nível do pensamento.
  • Para conservar o ritmo baixe o MANTRATRON.
  • O balanço em forma de ferro de cavalo pratica-se com o ritmo de 3 segundos. 3 segundos ida / 3 segundos volta e num só tempo.
  • Após ter feito um fosfeno, balance a cabeça em ritmo, pronuncie o mantra ou uma vogal a cada vez que a cabeça chega a uma extremidade.
  • TODOS os exercícios são muito mais vantajosos se forem executados com um pensamento:
    • as figuras geométricas, dão acesso aos planos do pensamento abstrato.
    • o mundo vegetal, dá acesso ao plano etérico.
    • o ponto de concentração, dá acesso aos planos de consciência superiores.
Para mais informações, consulte os exercícios práticos contidos noi-Kit Energia Fosfénica.

Balanço LATERAL mantra ILLI, pronunciar a vogal «i» cada vez que a cabeça chega a uma extremidade, com a oscilação do ponto de concentração sobre o eixo horizontal.
= Intuição. Telepatia. Reforço da personalidade, o que permite eliminar o stress.

APÓS TER FEITO UM FOSFENO: 1ª maneira para praticar

1° tempo: Movimento a 45° com o ritmo de 2 segundos (1 segundo ida, 1 segundo de volta).

Duração: 1 minuto.

2° tempo: Pequenos movimentos da cabeça tentando tomar consciência da deslocação encefálica na caixa craniana. Sempre com um ritmo de 2 segundos.

Duração: 1 minuto.

3° tempo: Como o 1° tempo. Pequenos movimentos da cabeça tentando tomar consciência da deslocação encefálica na caixa craniana. Sempre com um ritmo de 2 segundos.

Duração: 1 minuto.


Consultar i-Kit Energia Fosfénica.

APÓS TER FEITO UM FOSFENO: 2e façon de pratiquer

1° tempo: Movimento a 45° com o ritmo de 2 segundos (1 segundo ida, 1 segundo de volta).

Duração: 1 minuto.

O ponto de concentração vai de uma têmpora à outra.

2° tempo: Pequenos movimentos da cabeça tentando tomar consciência da deslocação encefálica na caixa craniana. Sempre com um ritmo de 2 segundos.

Duração: 1 minuto.

O ponto de concentração vai de uma têmpora à outra.

3° tempo: Como o 1° tempo.


OS OUTROS BALANÇOS PRATICAM-SE TODOS DA MESMA MANEIRA.
Só o movimento da cabeça altera.



Nota n° 1: Pergunta sobre a posição dos olhos (extrato do Fórum)
Q. Joaninha: Gostaria obter uma precisão: quando fazemos os balanços, devemos deixar o olhar fixo com os olhos fechados imaginando o ponto de concentração evoluir da direita para a esquerda (com respeito ao movimento lateral por exemplo) ou devemos efetuar realmente o movimento da direita para a esquerda com os olhos, imaginando o ponto de concentração? Obrigada.

R. Ahoura: Olá Joaninha,
Durante os balanços, os olhos seguem o movimento da cabeça naturalmente. Não é preciso esforçar os olhos, se não o exercício torna-se rapidamente cansativo. O conjunto do balanço da cabeça e dos olhos deve ser natural e sem cansaço nem esforço. Quando o movimento se torna simples e natural, é mais fácil dirigir a atenção para a visualização. Boa prática.

R. Joaninha: Ahoura, agradeço pela sua resposta. Até agora eu não mexia o meu olhar, só o meu pensamento é que fazia o balanço, obrigada pela precisão importantíssima .
-----------------------------------
Nota n° 2: Si vous avez de l’arthrose au niveau du cou, faites partir le balancement à partir du bassin. Dans certaines traditions les balancements partent des hanches, les vertèbres cervicales restent donc dans l’alignement avec le haut de la colonne vertébrale.